PENSANDO A NOTÍCIA: Você é feliz? Por que parece que o Brasil está deixando de ser

Uma notícia veiculada em vários sítios de notícias da internet, no dia de ontem (14/03/2018), me fez pensar. De acordo com uma pesquisa organizada pela Rede de Soluções para o Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas, o Brasil caiu da 22ª posição para a 28ª em uma lista que mede o índice de satisfação percebida nos diferentes países.

Parte da explicação desse fenômeno se dá ao fato de haver no Brasil uma percepção de corrupção generalizada, dificuldades econômicas e aumento dos índices de violência. Contudo, segundo a notícia, a percepção da vida social e das relações interpessoais em países da América Latina ainda servem para elevar o sentimento de felicidade, apesar das situações citadas acima.

A notícia termina dizendo que 3 problemas de saúde andam preocupando os pesquisadores, e que podem se tornar um grande problema para os anos por vir: obesidade, crise de opioides (drogas) e a depressão. Ou seja, a tendência parece ser uma queda ainda maior na ideia de felicidade.

Fiquei pensando nas razões pelas quais podemos pensar que somos felizes. O que realmente torna alguém feliz? Que aspectos ou que situações você pode dizer que a/o deixam feliz? Normalmente, as pessoas, como foi percebido na pesquisa, se alegram pelas relações pessoais que possuem. Entretanto, diante da preocupação de saúde que se apresenta na pesquisa, o uso de drogas, obesidade e depressão, podemos supor que a tendência é uma diminuição no prazer de viver. Ainda vou escrever sobre esses três problemas, pois me chamaram muito a atenção. Mas hoje quero discutir a ideia de ser feliz.

Muita gente se sente feliz ou infeliz a depender de situações externas a elas. Seja ter condição financeira melhor, seja ter um carro novo, ou passar em um concurso muito esperado, ou mesmo passar no vestibular para a carreira que sonha. Muitas vezes condicionamos nossa felicidade a algo que não temos, e perdemos de vista a possibilidade de ser feliz com a vida que já possuímos. Sempre que colocamos a felicidade em algo fora de nós mesmos, estamos nos colocando mais longe da possibilidade de sermos felizes.

Assim, precisamos pensar nas coisas que possuímos e nos tornarmos mais felizes. Isso não quer dizer que você precisa se acomodar e não lutar pela vida. O ponto não é o que você ainda deseja, mas o quanto não se contenta com o que já possui. Para muitas pessoas, é importante repensar as coisas boas que já possuem. Para outras, entretanto, é necessário um trabalho mais profissional, pois têm sérias dificuldades em encontrar motivos para serem felizes em suas vidas. Algumas pessoas, inclusive, têm o que se chama de Insatisfação Crônica. Esse quadro se caracteriza por uma personalidade que, independente do que tenha, nunca está feliz. Para essas situações, não adianta só falar palavras de motivação ou de crítica. Elas precisam ressignificar seu ponto de vista, arraigado em sua história e mesmo em sua personalidade. Essas pessoas precisam de um trabalho psicoterápico.

Mesmo que esse não seja o seu caso, uma terapia pode ajudar você a reencontrar o real sentido de ser feliz. O importante é não permanecer no estado de infelicidade. Não perca mais tempo, e decida ser feliz com quem é e o que tem.

 

Osmar Reis, Me.

Psicólogo

 

(Fonte da notícia: http://www.bbc.com/portuguese/internacional-43410494)

Marcados com a tag:

Leave a Reply

Your email address will not be published.